Estudantes ocupam escolas no Paraná em protesto contra reforma do Ensino Médio

Mais de 300 colégios estão ocupados, diz movimento Ocupa Paraná; governo está pedindo reintegração de posse

    • ViaEPTV
    • /
    • ViaEPTV

Em protesto contra a reforma do Ensino Médio, estudantes secundaristas estão ocupando escolas estaduais no estado do Paraná. Segundo o movimento Ocupa Paraná, hoje (14/10) são 340 escolas ocupadas – mas o número está mudando dia a dia e os estudantes prometem continuar aumentar o número de instituições de ensino sob ocupação. 

Segundo o jornal “O Estado de S.Paulo”, a Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED) informou que estão ocupadas 180 unidades, o equivalente a 180 mil alunos sem aulas. A SEED afirmou que foram protocolados pedidos de reintegração de posse à Procuradoria Geral do Estado (PGE), mas o processo deveria ser levado para cada comarca onde estão localizados os colégios. Quatro universidades também estão ocupadas.
Os estudantes reivindicam a anulação da Medida Provisória 746, de 23 de setembro, que implementou a reforma. A MP está tramitando no Congresso dos Deputados, onde precisa ser aprovada. Se não for aprovada em 120 dias, perde validade. O governo estadual do Paraná promete dialogar com os estudantes.
Os principais pontos da reforma são:
- Ampliação do número de escolas em tempo integral
- Aumento da carga horária de 800 para 1.400 horas/ano
- Diminuição do número de disciplinas obrigatórias (só permanecem obrigatórias durante todo o Ensino Médio: Língua Portuguesa, Matemática e Inglês)
-  Definição de cinco áreas, ou percursos que os estudantes poderão seguir: Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Técnico/Profissionalizante
As principais críticas dos secundaristas são:
- A MP foi implementada de maneira autoritária, sem diálogo e debate com a comunidade educacional sobre a reforma
- A suposta “desvalorização do pensamento crítico” porque disciplinas como Filosofia e Sociologia deixarão de ser obrigatórias na etapa final do Ensino Médio
- A falta de infraestrutura e condições de boa parte das escolas de ensino médio para funcionar em tempo integral
- A implementação da reforma antes de a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ficar pronta, o que só deve ocorrer em 2017.  A BNCC é um documento que descreve os conteúdos e saberes necessários para cada ano e segmento da educação básica. 
Entenda, neste vídeo do canal do “Estadão” no Youtube a reforma do Ensino Médio:
 
Se você quiser se manter atualizado sobre as ocupações, acompanhe a página do movimento Ocupa Paraná no Facebook.


Comentários

Confira também