Noticias

Prova da segunda fase da Unicamp pede "textão" a candidatos

Mais uma vez, propostas de redação abordaram temas atuais, como os influenciadores digitais e o corte de verbas para a ciência

| Da Redação

 

Movimentação de candidatos no Vestibular da Unicamp (Foto: Luciano Claudino/Código 19)
Provas da segunda fase do vestibular Unicamp continuam nesta segunda-feira, 10/1

 

Do total de candidatos habilitados para a segunda fase do Vestibular Unicamp 2022, 12,7% (1.645) não compareceram no primeiro dia de prova, realizado neste domingo (9/1). Ao todo, 11.293 candidatos fizeram o exame, que vai selecionar os ingressantes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 2022. 


Os índices por cidade e as provas do dia estão disponíveis na página eletrônica da Comvest (www.comvest.unicamp.br). Na avaliação da Comissão, o índice geral está dentro do esperado, não apenas pela média histórica, mas considerando-se o contexto da pandemia de Covid-19 no país.  


As respostas esperadas pelas bancas começam a ser divulgadas pela Comvest na próxima quinta-feira, 13/1.  

 
Na prova de Redação, os candidatos puderam escolher entre duas propostas. A primeira delas propunha que o autor escrevesse um post extenso (textão) como se fosse um digital influencer desde os 13 anos, posicionando-se sobre o fato de crianças e adolescentes se tornarem influenciadores digitais.  


A segunda proposta foi a redação de um manifesto coletivo de estudantes universitários indignados com os cortes de verbas do orçamento para ciência e pesquisa no Brasil em 2021, a ser lido durante a reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).  


As propostas agradaram a coordenadora de Redação do Poliedro, Gabrielle Cavalin. "A proposta 1 surpreendeu pela atualidade do tema. Imagino que a Unicamp não tenha pensado na proposta baseando-se na propaganda de Natal do Itaú em que uma criança interage com a atriz Fernand Montenegro e teve a imagem usada em memes que viralizaram na internet. De qualquer modo, revela o quanto a Unicamp está sintonizada com temas atuais", analisa a professora.  


Além disso, ela chamou atenção para o fato da relação da proposta 1 com o universo jovem, o que pode ter ajudado os candidatos. "É um gênero tranquilo para os alunos, porque ou já publicaram ou já leram, é um gênero, perspectiva de um adolescente", complementa Gabrielle.  


A segunda proposta, sobre o corte de verbas para a ciência foi classificada como "crítica e atual" pela professora do Poliedro. "É uma proposta que tem mais a cara da Unicamp ao pedir que os candidatos contextualizem os cortes, mostrem as consequências disso e convoquem ar a sociedade em prol da questão, numa perspectiva bastante atrelada aos textos de apoio".  


Sobre as questões discursiva, o coordenador do curso Poliedro em Campinas, Victor Ricci, considerou que a prova foi "atualizada, política e antenada com tudo o que está acontecendo", além de ter exigido bastante capacidade de interpretação.  


Entre os destaques está a questão sobre um confronto no Twitter sobre preconceito e xenofobia. "A prova que se baseou em temas e questões atuais, a partir de vários canais de comunicação para gerar o seu vestibular", elogiou Ricci.  Ele também destacou a ênfase nas questões indígenas na prova.


A segunda fase continua nesta segunda-feira (10/1), quando serão aplicadas as provas específicas de acordo com o curso escolhido, além de Matemática e questões interdisciplinares de Ciências Humanas e Ciências da Natureza.  Leia mais sobre o Vestibular Unicamp 2022 aqui.