Tema da redação agrada finalistas do Virando Bixo - 2018

Estudantes fizeram prova presencial do simulado, que incluiu redação sobre a desvalorização a cultura no Brasil; resultado será divulgado em 20/2

    • Da Redação
    • /
    • Da Redação

 

Estudantes de várias partes de São Paulo e de Minas Gerais participaram, no domingo (10/1) da segunda fase do Virando Bixo edição 2018.  

Eles fazem parte do grupo dos 50 candidatos mais bem classificados na primeira fase do simulado e, por isso, foram chamados para fazer uma prova presencial, composta por 32 questões de múltipla escolha e uma redação intitulada "A (des)valorização da cultura no Brasil.  

O Simulado Virando Bixo é um projeto da EPTV que existe há 19 anos, desenvolvido para ajudar estudantes a se prepararem para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e para os principais vestibulares.  

São duas fases: a primeira é composta por provas online das disciplinas que integram o ensino médio, realizadas durante 27 semanas, e, a segunda, é uma prova presencial. As provas são elaboradas pelo Elite Pré-Vestibular Campinas.  O simulado é grátis. Basta se inscrever e participar.

O primeiro colocado em cada uma das duas categorias receberá um prêmio. O vencedor da categoria Vestibulando ganhará um carro 0 Km. Na categoria Treineiro, o prêmio é um intercâmbio para o Canadá, oferecido pela CI Central de Intercâmbio.   

O resultado do Virando Bixo edição 2018 será divulgado no dia 20 de fevereiro (quarta-feira).   

Finalistas do Virando Bixo - edição 2018 que participaram da segunda fase do simulado em Ribeirão Preto

A prova  

Os candidatos que fizeram a segunda fase do Virando Bixo elogiaram o tema da redação, mas consideraram difíceis as questões de matemática e física.  

Felipe Cadavez Oliveira, 18 anos, que concorre na categoria Vestibulando, disse que as questões de exatas foram difíceis, pois eram sobre temas pouco abordados no ensino médio.  

Ele é de Campinas e fez o Virando Bixo para ajudar na preparação do vestibular. "Foi muito bom, pois para manter minha rotina de estudos e ficar atento às questões das provas". Ele foi aprovado em Sistemas de Informação na Universidade de São Paulo (USP), mas ainda não decidiu se vai cursar, pois quer fazer Ciência da Computação. Se não se matricular, vai fazer o Virando Bixo em 2019.  

A estudante Larissa Macedo de Moraes, de 19 anos, fez o Virando Bixo em 2018 porque queria se prepara para o vestibular de Medicina. "Por causa da alta concorrência, é preciso fazer muitos exercícios", conta a estudante, que mora em Sumaré, na região de Campinas. Larissa gostou do tema de redação. "O tema é atual e bastante sintonizado com as propostas da USP e da Unicamp este ano".  

Matheus José Brugnaro, 15 anos, participou como treineiro do Virando Bixo. "Tive mais dificuldade em algumas questões porque ainda estou no começo do ensino médio. Quando isso acontecia, eu pesquisava e estudava para encontrar a resposta", explicar. O empenho deu certo: ele chegou à final e está disputando o intercâmbio.  

A vencedora do Virando Bixo - edição 2017 na categoria Treineiro, MIkaela Teodoro, participou novamente em 2018 como Vestibulando. "O simulado dá uma base para você saber como está o seu nível, se você está preparado, se precisa estudar mais". Ela prestou vestibular e foi aprovada em primeiro lugar no curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Fatec em Mogi Mirim. Mas seu sonho é trabalhar com física médica, então está aguardando a segunda chamada da Unicamp. 






Comentários

Confira também