Noticias

Para alunos, ensino presencial tem mais qualidade do que EAD

Pesquisa realizada com estudantes das cinco regiões mostra que 43% sentem falta do contato pessoal e 53% dizem que caiu a qualidade nas aulas a distância

| Da Redação


Estudantes se adaptaram ao ensino remoto, mas preferem aulas presenciais, diz pesquisa
 

Você é daqueles estudantes que estão seguindo as aulas remotas, mas sentem falta de encontrar os amigos e dos debates na sala de aula? Fique sabendo que não é só você, segundo uma pesquisa realizada pelo Pravaler, empresa de crédito educacional.   


Segundo o levantamento, os estudantes que migraram do ensino presencial para o remoto, por causa da pandemia da Covid-19, sentem mais falta dos colegas e dos professores do que das aulas presenciais: 43% dos entrevistados sentem falta do contato pessoal e 33% dizem estar enfrentando dificuldade para estudar por falta de local e ferramentas adequadas em casa.  Foram entrevistados cerca de mil estudantes das cinco regiões. 

 

O ensino remoto em si não é apontado como uma dificuldade por uma parcela significativa dos estudantes. De acordo com o estudo, 37% dizem que estão tendo mais tempo para a família e 35% acham positivo poder estudar de qualquer lugar. Apesar disso, 72% dos alunos preferem estudar somente na modalidade presencial. O ensino híbrido, que mescla presencial e metodologias a distância, tem a preferência de 22% dos entrevistados e a educação a distância, de 5%.  


Qualidade  

Na percepção de 53% dos entrevistados, houve queda da qualidade dos cursos durante o período de aulas remotas. Muitos também dizem estar se dedicando menos aos estudos 43% dizem que estão estudando de duas a oito horas por semana, enquanto a carga horária dos cursos presenciais é de, no mínimo, 15 horas.  

 

Do total de entrevistas, 22% estão estudando entre nove e 17 horas por semana.  


Resistência à EAD  

Mais da metade dos alunos (57%) não se sentem abertos à educação à distância (EAD) e que apenas 29% consideram dar uma chance à modalidade.  

 

A má experiência e resistência com as aulas digitais podem ter sido impulsionadas pelo fato de que cerca de 76% dos estudantes tiveram a primeira experiência com aulas remotas durante a pandemia.